Scooter eléctrica Portuguesa

Publicado em 14 de Julho de 2012 |

Uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra apresentou na passada quarta-feira aquela que diz ser a primeira scooter eléctrica portuguesa. Este veículo zero emissões surgiu de um projecto académico que procurava encontrar “o melhor meio de deslocação, para uma mobilidade sustentável em contexto urbano”.
“A maior eficiência energética e a capacidade de fugir aos engarrafamentos determinaram que a scooter seria o veículo mais adequado” referiu Ana Vaz, coordenadora do projecto, no Instituto de Sistemas e Robótica (ISR) da Universidade de Coimbra.

O novo veículo de duas rodas tem uma autonomia, em ciclo urbano, entre os 100 e os 140 quilómetros, graças às baterias LiFePO4. De acordo com a investigadora, estas são reconhecidas pela sua “alta densidade energética, ou seja, a quantidade de energia eléctrica que conseguem acumular, e a segurança na sua utilização”.

Ainda assim, o modelo de deslocação citadina desenvolvido no ISR não é para todos os bolsos. No entanto, a tecnologia de base utilizada é bastante flexível. Isto vai permitir configurar pacotes personalizados para diferentes tipos de utilizadores, ou seja, “com pequenas alterações é possível fabricar um veículo ainda mais equilibrado e acessível financeiramente”.

“Estamos a entrar numa nova cultura de mobilidade urbana, em que as duas rodas começam a ter mais eficiência, menos desperdícios energéticos e económicos. As grandes cidades europeias estão precisamente a apostar na promoção do uso dos veículos eléctricos de duas rodas”, afirmou Ana Vaz.

No futuro, se a indústria manifestar interesse na comercialização deste novo veículo, “uma versão final estará pronta para entrar no mercado dentro de alguns meses”, salientou ainda a investigadora.

5 Responses to Scooter eléctrica Portuguesa

  1. Vitor Santos says:
    A frase “não é para todos os bolsos” revela conhecimento do preço. Será tabu dizê-lo? Podiam completar esta meia noticia.
  2. Robin dos Bosques says:
    Ora aí está o futuro do FINANCIAMENTO das Universidades Portuguesas: apostarem em fazer um “produto português” sem inventar a nível da estética e assim não precisamos de IMPORTAR estes produtos. Deviam ainda apostar em alguma DIFERENCIAÇÃO, ou seja, podiam, por exemplo, vender em conjunto com a mota UMA ESTAÇÃO DE CARREGAMENTO SOLAR e, porque não também eólica, que ajudasse no carregamento das baterias enquanto, por exemplo, se almoça.
  3. Victor Lavoura says:
    Acho uma excelente ideia os nossos cientistas da Universidade de Coimbra ou do Minho se interessarem pelo meio ambiente, já que poderemos montar carros, motos, scooters, Tryques e barcos com este tipo de motor e respectivas baterias, mas julgo que devem penssar em algo que cubra os veículo ou os respectivos transportes de forma a poderem receber energia solar que abasteça as baterias tornando de reduzido custo para certas bolsas e toda a gente poderá servir-se deste tipo de transporte, economizando e protegendo o ambiente. Obrigado pela atenção
  4. Fernando says:
    Tem havido excelentes projetos de viaturas electricas das universidades Portuguesas, o problema eh fabricar e vender.
    Mesmo nos EUA as vendas destas viaturas sao baixas, parece o lider mundial ser a China que fabrica e compra muitas viaturas electricas.
    Talvez com um maior aumento da gasolina e do poder de compra da Europa e EUA o mercado cresca e os empresarios metam mao ah obra.
    optima web site

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *