Portugal pode ser líder de mercado como Mobi.e

Publicado em 29 de Agosto de 2011 |

O MOBI.E tem “capacidade institucional, tecnológica e humana” para ser um sucesso internacional e tornar Portugal “líder no mercado”. Esta é a convicção do director do MIT Portugal, Paulo Ferrão.

Numa entrevista à revista Negócios & Franchising, Paulo Ferrão fez o balanço da primeira fase de parceria entre o MIT (Massachusetts Institute of Tecnology) e Portugal, concluída agora em Agosto e falou das oportunidades de negócio que Portugal pode agarrar em tempos de crise.

Segundo o director, é necessário “encontrar soluções para exportar” e para isso,”temos de estar globalizados, ligados a redes internacionais, ter pessoas que ousem entrar em novos negócios e que os possam massificar”.

Ferrão acredita haver em Portugal “muito potencial na área de sistemas”, mas confessa que “será muito difícil a Portugal ser um grande produtor mundial de painéis solares ou de carros eléctricos”. Contudo, adianta, “podemos ter capacidades institucionais, tecnológicas e humanas e exemplo disso é o MOBI.E. Se decidirmos avançar, temos grande capacidade de ser líderes no mercado e de exportar o sistema”. Para que tal aconteça, sublinha, “não se pode deixar de investir nas pessoas e na ciência”.

Na opinião do director do MIT, em si, o MOBI.E é também um exemplo de projecto a “franchisar”, rompendo assim com o tradicional modelo de franchising, associado tradicionalmente a produtos. Questionado se este pode ser o franchising do futuro, Paulo Ferrão é assertivo na resposta: “Sim, é este que queremos ajudar a criar. O negócio do futuro em Portugal não é fazer o carro eléctrico para o mundo inteiro, mas pode muito bem ser este tipo de serviços. São ideias que se traduzem em softwares e hardwares e que podem ser espalhadas pelo mundo facilmente. Não se trata de basear um negócio em mão-de-obra barata, porque isso, espero que nunca aspiremos a fazer”, conclui.

Fonte: mobi-e

One Response to Portugal pode ser líder de mercado como Mobi.e

  1. Essiemme says:
    Para isto dar certo, como deu a Via-Verde (exemplo português de pioneirismo mundial), era necessário que o novo governo não deixasse cair esta frande oportunidade.

    Era bom que, por o governo anterior ter “puxado” pela vertente tecnológica do país, este governo não fosse no sentido contrário… nestas coisas, de facto, tem de ser políticas à parte!

    sm

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *