Plano de mobilidade eléctrica para Beja

Publicado em 19 de Janeiro de 2010 |

O plano de mobilidade eléctrica de Beja, que vai definir a rede de abastecimento e os benefícios municipais a conceder aos proprietários de veículos eléctricos, deverá estar concluído em Março, disse hoje à Lusa o presidente da Câmara.

Segundo Jorge Pulido Valente, o plano está a ser elaborado pela Universidade do Minho e vai definir a quantidade e os locais dos pontos de carregamento lento e rápido de veículos eléctricos a instalar em Beja, um dos 21 municípios que aderiram à rede nacional para a mobilidade eléctrica (Mobi.e).

Trata-se de uma rede “pioneira a nível internacional” e “uma das primeiras da Europa”, frisou o autarca, referindo que a Mobi.e “vai permitir a Beja e a Portugal posicionarem-se na vanguarda da mobilidade eléctrica”.

O plano, indicou, vai também analisar a “intenção” da Câmara de substituir as actuais frotas do município e da rede urbana de transportes públicos, constituídas por viaturas a gasóleo e gasolina, por veículos eléctricos e os benefícios municipais para “incentivar” particulares e empresas a utilizarem veículos eléctricos.

Entre os benefícios, o autarca destacou “facilidades de estacionamento na cidade, através da criação de lugares preferenciais para veículos eléctricos”, e a atribuição de “carregamentos gratuitos nas primeiras horas”.

Os benefícios municipais, frisou, juntam-se aos incentivos financeiros e fiscais já aprovados pelo Governo para “incentivar a compra” de veículos eléctricos por particulares e empresas.

A Câmara quer também incluir no plano uma rede de bicicletas eléctricas, através da recuperação e renovação do sistema que “já existiu e foi abandonado” de bicicletas, algumas eléctricas, que eram disponibilizadas pelo município para visitas ao centro histórico de Beja, explicou o autarca.

O município vai também “estabelecer parcerias com várias entidades”, como o Instituto Politécnico de Beja, para “potenciar a investigação e o desenvolvimento” e “identificar as oportunidades de negócio” na área da mobilidade eléctrica.

A Câmara quer “envolver toda a comunidade” na mobilidade eléctrica, sobretudo a escolar, para “sensibilizar e informar a população sobre as vantagens ambientais e económicas” dos veículos eléctricos, disse.

Através da Mobi-e, prevê-se instalar este ano 320 postos de carregamento de carros eléctricos em Portugal, que poderão chegar a 1.350 em 2011.

A rede piloto nacional, que será compatível com todas as marcas de veículos eléctricos, vai incluir pontos de carregamento lento (com duração de seis a oito horas a partir de energia eólica produzida durante a noite) e pontos de carregamento rápido (feitos durante o dia e com duração de 20 a 30 minutos).

Os pontos irão ser instalados em locais de acesso público, como parques de estacionamento, postos de abastecimento de combustíveis, centros comerciais, hotéis, aeroportos e vias públicas dos municípios que aderiram à rede piloto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *