Os carros eléctricos ainda não compensam!

Publicado em 4 de Junho de 2012 |

O especialista em engenharia ambiental Pedro Marques, da Universidade de Coimbra, defendeu esta segunda-feira que os veículos eléctricos «não são ainda uma opção muito viável em termos económicos», sobretudo por causa das baterias.

«A evolução dos veículos eléctricos está muito dependente da tecnologia das baterias; em termos económicos não são ainda grande opção face a outros veículos com características e desempenho semelhantes», afirmou.

Pedro Marques falava à Lusa a propósito da palestra que deu esta segunda-feira, no Instituto Superior de Engenharia de Coimbra (ISEC), sobre a «Avaliação de Ciclo de Vida de Veículos Automóveis: Eléctrico, Plug-in Eléctrico Híbrido e Convencional».

Os veículos cem por cento eléctricos «não são ainda competitivos em termos económicos, pois, embora o custo de utilização (horas vazio: 0,011Euro/Km; horas cheio 0,019Euro/Km) seja inferior aos veículos a gasóleo ou gasolina, o custo de aquisição dos primeiros, por quilómetro, é superior», sustenta o especialista.

Preços não são para todas as carteiras

A análise económica foi realizada com base no método do custo anual equivalente, tendo sido considerados dois tarifários de electricidade para o carregamento dos veículos eléctricos (horas vazio, durante a noite, com tarifário mais barato, e horas cheio, mais caras) e duas taxas de actualização (cinco e dez por cento).

O custo de aquisição, «muito superior aos carros convencionais, sobretudo por causa das baterias, que chegam a custar 10 mil a 15 mil euros» é, para Pedro Marques, um ponto fraco dos carros eléctricos.

«Ninguém sabe muito bem quanto [tempo] as baterias vão durar», alerta o especialista, que salienta, no entanto, «que circular com um veículo eléctrico significa uma redução [de custos de utilização] três vezes inferior» a um carro movido a gasolina.

Tendo em conta o tarifário eléctrico existente em Portugal, o carregamento das baterias durante o período de «horas vazio» compensa em larga escala (redução para metade dos custos) face às «horas cheio» (durante o dia, quando são necessárias fontes de energia fósseis, como o gás natural e o carvão).

«Se carregarmos durante a noite, o desempenho [em termos de gastos de utilização] dos carros eléctricos acaba por ser melhor do que os convencionais, mas se o carregamento for durante o dia, nas horas cheio, o desempenho é pior do que em relação aos carros convencionais, na maior parte dos casos», clarificou.

fonte: Agência Financeira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *