Jornadas da Mobilidade Eléctrica

Publicado em 18 de Janeiro de 2013 |

Realizaram-se no passado dia 16 de janeiro as 2as Jornadas da Mobilidade Elétrica. Este evento, organizado pelo ISEP e pela Ordem dos Engenheiros contou com a presença de oradores ligados, naturalmente, à temática e pretendia analisar o estado atual do automóvel elétrico em Portugal e alguns dos desafios prementes no futuro.

Apesar de prometer abordar os paradigmas e entraves presentes, tanto do cidadão comum como das empresas que pretendam trabalhar no setor, denotou-se desconhecimento por parte de alguns intervenientes face à realidade do automóvel elétrico no presente, ancorado também num certo negativismo nos seus discursos pelo que se poderá questionar, como e porquê organizar um evento em que se denota falta de preparação de alguns intervenientes e no qual não se acredita como solução de futuro. Estas lacunas foram mais prementes principalmente quando se ousou falar na perspetiva de mercado e de potenciais clientes do automóvel elétrico. Em suma, as intervenções não abordaram de forma explícita, ou até técnica/mecânica (o que poderia ser expectável) a situação presente e futura. Apesar disso, houveram contributos interessantes e novidades animadoras.

Com a intervenção de João Martins – IMTT foi possível perceber algumas das etapas de licenciamento do automóvel elétrico e as suas diferenças face a um automóvel comum. É hoje um processo mais fácil do que há alguns anos atrás pois, apesar das diferenças técnicas que dotam um automóvel elétrico este pode ser licenciado em Portugal e estar disponível, sem restrições em toda a União Europeia, algo que não acontecia anteriormente.

Bernardo Ribeiro – CEIIA/ MOBICAR apresentou um projeto positivo que arrancou em 2010 e que pretende criar um automóvel citadino, Made in Portugal, totalmente elétrico. O protótipo foi desenvolvido e apresentado no Brasil no final de 2011.

A mais arrojada e significativa intervenção foi apresentada por João Manuel Oliveira – VEECO em que de forma sintética divulgou algumas das dificuldades práticas que empresas portuguesas têm na criação e posterior comercialização de automóveis elétricos. O seu modelo VEECO RT está neste momento terminado pelo que se seguirá a homologação/ licenciamento junto do IMTT. É previsível que seja comercializado dentro de aproximadamente seis meses, apesar de algumas nuances: iniciará a produção em Low Volume e as vendas arrancarão via Espanha. Tratando-se na classificação europeia de um veículo L5E (motociclo com três rodas), o VEECO RT não se enquadra em Portugal como um automóvel elétrico, logo não usufrui dos apoios concedidos pelo governo como incentivo à compra de automóveis elétricos. Tal não sucede em Espanha onde será possível um cidadão comprar este veículo obtendo um desconto de 6.000€, logo o preço será apetecível tendo em conta as características do veículo (boa autonomia, design interessante e moderno). A concretização deste projeto é uma boa notícia pois para além de exportar um bem novo e tecnológico, contribui para a associação de Portugal enquanto país inovador e capaz de criar boas soluções de mobilidade sustentável.

José Costa – Salvador Caetano apresentou o Caetano Bus. Trata-se de um autocarro com várias utilidades: aeroportos, cidades, espaços verdes, eventos, etc, totalmente elétrico e com caraterísticas interessantes tendo em vista os custos necessários para transportar pessoas em quantidades significativas. Este projeto está já a ser testado em cidades Portuguesas e Europeias com resultados positivos. Permite uma autonomia média de 120km e pode ser carregado em 3 horas recorrendo a um posto de carregamento rápido desenvolvido pela EFACEC. Permitem uma redução de 90% dos custos de utilização face a um autocarro similar a Diesel e cerca de 40% de poupança em manutenção. Neste momento a empresa está apostada em melhorar o impacto que as baterias conferem no peso total do autocarro e a duração de vida útil das mesmas – entre 6 e 8 anos.

jornadas-mobilidade

As jornadas contaram ainda com a presença de Quitéria Antão – APOGER que abordou o desmantelamento de veículos em fim de vida.

Durante a tarde foi possível testar num mini-circuito no centro da cidade do Porto, alguns automóveis elétricos, permitindo assim aos presentes conhecer a tecnologia e a sensação de conduzir um automóvel puramente elétrico. Os carros disponíveis foram:Peugeot Ion; Porsche Cayenne Hybrid; Porsche Panamera Hybrid; Smart ed (3ª geração); Smart electric bike; Mercedes Classe E 300 BlueTEC Hybrid; Renault Twizy; Renault Fluence ZE; Little Four ; Opel Ampera;Nissan Leaf;Honda Jazz;Honda Insight;Toyota Yaris Hybrid.

Este artigo foi gentilmente escrito pelo Joel Vaz para o veiculoselectricospt

3 Responses to Jornadas da Mobilidade Eléctrica

  1. António Andrade says:
    Também estive nas mesmas jornadas e outro aspecto que deverá ser salientado, que vários oradores apontaram, é a eficiência do motor eléctrico. No mínimo é o dobro dos motores de combustão interna (MCI), permitindo um custo por km muito baixo e forçosamente a um sucesso inevitável, nas próximas décadas.
    Quanto ao negativismo, concordo, pois eu próprio tento lutar contra as “ideias negativas” que muita gente quer passar. Naturalmente que o carro eléctrico tem limitações na autonomia e no número de ciclos da bateria, mas já é uma solução real para o nosso segundo carro, desde que o seu preço baixe para preços comparáveis aos carros com MCI.
  2. Joel Vaz says:
    Concordo plenamente António Andrade! No entanto não podia referir tudo senão ficava um artigo muito extenso!:)
    Para além desse também há outro ponto em que discordo de um dos oradores. Este referia que não previa um brilhante futuro para Portugal na mobilidade elétrica pois este sector já estava tomada pelos grandes construtores. Esta ideia é desfasada da realidade pois basta ver que no presente, aquele que é por muitos considerado o melhor automóvel 100% elétrico é da Tesla, uma startup americana que nasceu do zero. E nós portugueses havemos de ser diferentes e sentir-nos inferiorizados, é?
    Ainda por cima estavam lá 3 empresas portuguesas (VEECO, Mobicar e Salvador Caetano) que têm trabalhado bem o sector..
  3. José Pontes says:
    É pena que estas iniciativas não tenham mais divulgação, pois uma das maneiras de desmistificar o carro eléctrico é pôr as pessoas a conhecê-los e conduzi-los.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *